18.5 C
Catanduva
domingo, abril 21, 2024
spot_img
InícioSaúdeEspecialista alerta sobre a incidência de casos de Trombose no Brasil

Especialista alerta sobre a incidência de casos de Trombose no Brasil

O Dia Nacional de Combate e Prevenção à Trombose, celebrado em 16 de setembro, instituído pela Lei nº 12.629/2.012, tem o propósito de conscientizar a população a respeito dos riscos do Tromboembolismo Venoso.  A condição possui altíssima prevalência, pois acomete de uma a duas pessoas a cada mil habitantes por ano no mundo, mas ainda é muito pouco conhecida, diagnosticada e notificada no país.  De acordo com o presidente da Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular – Regional São Paulo – SBACV-SP, Dr. Fabio H. Rossi, a condição se caracteriza pela formação de um coágulo – geralmente nas pernas ou na pelve – que interrompe o fluxo do sangue. É a terceira causa de morte cardiovascular, ficando atrás apenas do Infarto Agudo do Miocárdio e do Acidente Vascular Cerebral, além disso, é a principal causa evitável de morte intra-hospitalar. Faltam dados epidemiológicos confiáveis no Brasil, e a doença pode estar sendo subnotificada.

O Tromboembolismo Venoso ocorre com a falta de movimentação dos membros inferiores por períodos prolongados, o que é comum em ambientes de trabalho, durante longas viagens, nos sedentários, em internados, no pós-operatório e pós-parto.  Os riscos são ainda maiores nos tabagistas, nas usuárias de anticoncepcionais e com o avançar da idade. Quando o trombo formado nas pernas se desprende e se desloca até o pulmão, ocorre a Embolia Pulmonar, que dificulta a oxigenação e sobrecarrega o coração. “Quando a embolia é volumosa, o coração tem dificuldade de bombear o sangue, pode se dilatar, sofrer um processo de arritmia, causar infarto agudo e até parada cardiorrespiratória. Mesmo nos casos menos perigosos, as sequelas crônicas, como a síndrome pós-trombótica e a hipertensão pulmonar, podem trazer graves sequelas”, explica Dr. Fabio.

Estudos recentes verificaram que nos infectados pela Covid-19 internados em enfermaria, 7% desenvolveram tromboembolismo venoso, e acometeu 31% dos internados em UTI.  (J Vasc Surg Lymphatic Venous did 2022 9(21): 289-298). Houve uma verdadeira avalanche de casos durante a pandemia, o que serviu para alertar os profissionais da saúde e a população, de uma forma geral, sobre a alta prevalência e a sua gravidade. Mas mesmo fora do período pandêmico o cenário é gravíssimo. Nos EUA e na Europa a patologia faz mais vítimas do que o câncer de mama, de próstata e acidentes de carro, em conjunto (BMJ Qual Saf 2013; 22: 809-815).

A sua predominância e o número de internações variam consideravelmente entre as nações, e uma série de fatores podem influenciar nos resultados, como as características genéticas, a adesão aos protocolos de profilaxia e prevenção, sobretudo nos pacientes internados, a forma como é feito o diagnóstico e, sobretudo, a capacidade de notificação. Nos EUA, segundo dados oficiais, existem em média 547.000 hospitalizações anuais em indivíduos com mais de 18 anos. O número de casos é maior se considerarmos que muitos são oligossintomáticos, ou seja, apresentam sintomas leves (Site).

No Brasil, segundo dados do Data-SUS, as internações vêm aumentando, totalizando 6.527 em 2021, mas esses números são baixíssimos, mesmo se levarmos em consideração diferenças populacionais, e que sete em cada dez brasileiros dependem do SUS.

Esses números são alarmantes, uma vez que a carência de diagnóstico resulta na falta de tratamento, feito com o uso de anticoagulantes e evita a progressão e a embolização do coágulo para o pulmão.  Não realizar o diagnóstico gera o risco de óbito, altas taxas de recidiva e necessidade de novas internações, aumento de custos e, sobretudo, impossibilidade de gerenciamento de recursos.  Estudos indicam que em casos de morte por causa indeterminada, em 11% das necropsias realizadas, a embolia pulmonar é considerada a causa principal.

“Apesar do aumento de internações reportadas, as taxas de internação por tromboembolismo são ainda baixíssimas se compararmos com outros países civilizados”, alerta Dr. Fabio.

O principal problema em relação à busca de dados no Data-SUS é que ela é possível apenas com a inserção do CID principal. Dessa forma, muitos casos de tromboembolismo que ocorrem durante a internação, período em que o risco de ocorrência é o maior, acabam não sendo encontrados, e isso pode ser responsável pela baixa incidência de casos notificados no Brasil. “A SBACV-SP está atenta a esse grave problema de saúde pública e vem trabalhando em um projeto para tornar lei a notificação compulsória dos casos de tromboembolismo venoso. Além disso, estamos fazendo uma série de eventos científicos e sociais para alertar a população e os profissionais de saúde sobre a necessidade da prevenção, diagnóstico e tratamento da doença”, comenta o Dr. Fabio H. Rossi.

Mariana Lachi
Mariana Lachi
Mariana Lachi - Jornalista com formação em Comunicação Social e Pedagoga. Experiência em um pouquinho de tudo: TV, rádio, revista, assessoria de imprensa e jornal impresso. Atua há mais de 20 anos com mídia.
ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -spot_img

POSTS POPULARES